O Futuro da Aprendizagem Móvel

Version 1

    Tecnologia educacional


    As recentes inovações da tecnologia móvel têm se centrado, sobretudo na criação de conteúdo digital, especialmente livros didáticos digitais acessados por leitores eletrônicos, e no desenvolvimento de aplicativos móveis e plataformas de software para acessar recursos digitais usando dispositivos móveis.

     

    Livros didáticos digitais e leitores eletrônicos


    No mundo desenvolvido, a transição para livros didáticos digitais em ambientes de educação formal é uma das tendências mais bem estabelecidas da aprendizagem móvel. A melhoria contínua dos aplicativos de leitura eletrônica e dos leitores eletrônicos tem tornado a experiência da leitura eletrônica cada vez mais agradável e favorável ao aprendizado. As novas abordagens para a conversão e criação de livros didáticos estão permitindo que eles deixem de ser meras reproduções digitais do conteúdo impresso para se tornar interfaces de grande interesse visual, que podem incluir elementos multimídia, interativos e de colaboração (GSMA, 2011).


    A próxima geração de leitores eletrônicos e tablets trará novas possibilidades para o ensino e o aprendizado. Um exemplo é a possibilidade de permitir um estudo mais social, com grupos de alunos colaborando para ler, fazer anotações e comparar um ou mais textos sobre o mesmo assunto, cada qual trabalhando com seu próprio dispositivo móvel (SHARPLES et al., 2012). Futuros livros eletrônicos poderão explorar as ferramentas incorporadas nos dispositivos móveis – como gravadores, câmaras, temporizadores, localizadores GPS, acelerômetros, bússolas e sensores de inclinação – para exercícios de aprendizagem exploratória, orientando o leitor através de experimentos, como, por exemplo, testar as propriedades da luz através da câmara ou as do som usando o gravador (SHARPLES et al., 2012). Com a crescente melhoria na qualidade e redução do preço dos tablets e das tecnologias de leitura eletrônica, o movimento em direção aos livros didáticos digitais poderá aumentar as oportunidades educacionais de alunos do mundo inteiro, particularmente daqueles que ainda não têm acesso a materiais físicos de boa qualidade.


    Aplicativos móveis


    Os mercados para aplicativos móveis criaram um mecanismo totalmente novo para a distribuição de conteúdo, estimulando investimentos consideráveis no desenvolvimento de software para dispositivos móveis. Em países desenvolvidos os aplicativos educacionais têm crescido de forma exponencial. Esses aplicativos fornecem novas ferramentas para atividades pedagógicas como anotação, cálculo, redação e criação de conteúdo. Um estudo recente constatou que, em 2011, foram baixados mais de 270 milhões de aplicativos pedagógicos – um aumento de mais de dez vezes desde 2009 (McKINSEY & COMPANY; GSMA, 2012).


    Embora alguns poucos aplicativos educacionais tenham sido projetados para atender metas curriculares, podendo ser usados na sala de aula ou em casa, a maioria objetiva sobretudo a aprendizagem informal (GSMA, 2011). No entanto, com o crescente aumento do uso de dispositivos móveis em ambientes de educação formal, os aplicativos deverão tornar-se uma parte importante do ecossistema de aprendizagem móvel. atualmente os desenvolvedores conseguem driblar as instituições e vender conteúdo diretamente aos alunos, o que permite que tanto professores quanto escolas façam investimentos pequenos e progressivos em micro pedaços de conteúdo. Em vez de investir na mesma série de livros didáticos ou solução de software para sala de aula, escola, município ou país, os educadores podem, por exemplo, escolher entre vários aplicativos customizados para atender às necessidades de cada aluno, empoderando assim a aprendizagem personalizada, que deverá caracterizar a educação formal no futuro.



    Extraído de

    UNESCO. O Futuro da Aprendizagem Móvel - Implicações para Planejadores e Gestores de Politicas. Relatório. Brasília, 2014. 22 e 23 p.

    Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002280/228074POR.pdf