Diretrizes de Políticas para a Aprendizagem Móvel

Version 6

    Para concretizar os benefícios específicos da aprendizagem móvel, a UNESCO recomenda que os formuladores de políticas desenvolvam algumas ações. Essas recomendações, denominadas diretrizes, podem ser encontradas na íntegra no documento DIRETRIZES DE POLÍTICAS PARA A APRENDIZAGEM MÓVEL, publicado pela UNESCO.

     

    Selecionamos abaixo algumas das diretrizes propostas pela UNESCO no intuito de chamar a atenção para a importância da adoção de políticas, garantindo que processos dessa natureza possam ser bem sucedidos no âmbito educacional. Cada uma delas vem acompanhada de Recomendações Políticas.

     

    Criar ou atualizar as políticas referentes à aprendizagem móvel

    Como a maioria das políticas de TIC no campo da educação foi criada antes do advento dos aparelhos móveis, elas não procuram melhorar os potenciais das tecnologias móveis para a aprendizagem. As raras políticas que fazem referência a aparelhos móveis tendem a tratá-los tangencialmente ou a proibir sua utilização nas escolas.

    Diretrizes de políticas recentes referentes à aprendizagem móvel devem ser inseridas nas políticas de TIC na educação que muitos governos já colocam em prática. Para aumentar as oportunidades fornecidas pelas tecnologias móveis e outras novas TIC, recomenda-se que as autoridades educacionais revisem as políticas existentes.

     

    Recomendações de Políticas

    Examinar os potenciais e os desafios educacionais específicos oferecidos pelas tecnologias móveis e, quando apropriado, incorporá-los nas políticas amplas de TIC na educação.

    Evitar proibições plenas do uso de aparelhos móveis. Essas proibições são instrumentos grosseiros que geralmente obstruem as oportunidades educacionais e inibem a inovação do ensino e da aprendizagem, a não ser que sejam implementadas por motivos bem fundamentados.

    Fornecer orientação sobre como novos investimentos em tecnologia podem funcionar em conjunto com os investimentos e as iniciativas educacionais existentes.

    ______________________________

     

    Treinar professores sobre como fazer avançar a aprendizagem por meio de tecnologias móveis

    Para capitalizar as vantagens das tecnologias móveis, os professores devem receber formação sobre como incorporá-las com sucesso na prática pedagógica. Em muitos casos, o investimento governamental na formação de professores é mais importante que o investimento na própria tecnologia. Pesquisas da UNESCO mostraram que, sem orientação e capacitação, os professores frequentemente utilizam a tecnologia para “fazer coisas velhas de formas novas”, ao invés de transformar e melhorar abordagens de ensino e aprendizagem.

     

    Recomendações de Políticas

    Priorizar o desenvolvimento profissional dos professores. O sucesso da aprendizagem móvel depende da capacidade dos professores para aumentar as vantagens educacionais dos aparelhos móveis.

    Fornecer treinamentos técnico e pedagógico necessários aos professores, introduzindo soluções e oportunidades de aprendizagem móvel. Embora muitos professores saibam usar aparelhos móveis, muitos não o sabem, e, à medida que se tornam mais versáteis e complexos, os aparelhos tendem a se tornar ainda mais difíceis de usar.

    Estimular os institutos de formação de professores a incorporar a aprendizagem móvel em seus programas e currículos.

    Fornecer oportunidades para que educadores compartilhem estratégias para a integração efetiva de tecnologias em instituições com recursos e necessidades semelhantes.

    ______________________________

     

    Fornecer apoio e formação a professores por meio de tecnologias móveis

    A UNESCO verificou que poucos sistemas educacionais utilizam tecnologias móveis como apoio ao trabalho e ao desenvolvimento de professores, embora, com frequência, esse seja um método de assistência a educadores prático e efetivo financeiramente, de forma especial para os que trabalham em áreas distantes e com recursos escassos. Aparelhos móveis também podem ajudar a transferir a formação de professores em instituições homogêneas e centralizadas para salas de aula ou outros locais da escola onde se reúnem alunos e educadores. Com a capacidade de acessar conteúdos curriculares por via remota, os candidatos a professores podem dedicar mais tempo à prática pedagógica em ambientes reais. Assim como os aparelhos móveis podem ajustar os materiais de aprendizagem aos estudantes, eles também podem assegurar que os professores estudem conceitos relevantes para determinadas disciplinas, escolas e populações de estudantes. Abordagens aplicadas à formação profissional com o conceito de que “um único estilo serve para todos” são insuficientes, tanto para os professores quanto para os estudantes; além disso, a aprendizagem móvel oferece um caminho promissor para melhor individualizar o currículo e a educação para esses dois grupos.

     

    Recomendações de Políticas

    Assegurar que, onde dor possível, os currículos, os recursos educacionais e os planos de aula estejam disponíveis para os professores por meio de aparelhos móveis. Embora muitos projetos de aprendizagem móvel disponibilizem recursos aos estudantes, muito poucos os direcionam especificamente para os professores.

    Explorar a viabilidade de se oferecer desenvolvimento profissional e formação de professores via tecnologias móveis. Essa abordagem pode complementar, mas não deve substituir, a formação presencial normalmente necessária para modificar as crenças dos professores e melhorar sua prática.

    ______________________________

     

    Criar e aperfeiçoar conteúdos educacionais para uso em aparelhos móveis

    Atualmente, a maioria dos conteúdos educacionais, incluindo os conteúdos digitais, não está disponível para aparelhos móveis, nem aproveita integralmente as propriedades específicas de multimídia, de comunicação e, às vezes, de localização desses aparelhos. Mesmo quando os conteúdos estão disponíveis, frequentemente eles não são relevantes para as populações locais de estudantes, devido às opções limitadas de idiomas ou à escassez de materiais culturalmente específicos. Além disso, um grande volume de conteúdos não obedece a padrões nem incorpora características que melhorem a acessibilidade de estudantes com deficiências. Com o ajuste de recursos apropriados para uso em aparelhos móveis, e com a garantia de sua relevância e acessibilidade para diferentes populações de alunos, os educadores podem ampliar muito o alcance desses recursos, pois o número de alunos e professores que possuem seu próprio aparelho móvel é bem maior do que daqueles que possuem um laptop ou computador de mesa.

     

    Recomendações de Políticas

    Assegurar que os recursos e os conteúdos educacionais, incluindo os de depósitos online existentes, sejam facilmente acessíveis por meio de aparelhos móveis.

    Apoiar a licença de acesso aberto dos conteúdos móveis para facilitar sua utilização e adaptação da forma mais ampla possível, promovendo o uso de recursos educacionais abertos, ou REAs.

    Criar incentivos para que os criadores desenvolvam conteúdos especificamente para aparelhos móveis. Embora seja possível migrar materiais didáticos de computadores e textos para as tecnologias móveis, é preciso que os criadores desses materiais tenham em mente “a tecnologia móvel em primeiro lugar”, fazendo escolhas sobre como racionalizar os conteúdos para apresentação e utilização em aparelhos com telas pequenas e opções de entrada limitadas.

    Estimular o desenvolvimento de plataformas ou programas que permitam que professores em sala de aula – assim como outras pessoas que conheçam os alunos pessoalmente – criem ou adaptem conteúdos para aparelhos móveis.

    Promover a criação de conteúdos para aparelhos móveis que sejam relevantes para grupos comunitários específicos e acessíveis nos idiomas locais, convidando criadores de conteúdos locais a criá-los no âmbito da aprendizagem móvel para suas comunidades.

    Advogar por padrões que tornem os aparelhos móveis, os programas e os conteúdos didáticos disponíveis para diversas populações de estudantes, incluindo aqueles com deficiências.

     

     

     

    Fonte: UNESCO Policy Guidelines for Mobile Learning, publicado em 2013 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), 7, place de Fontenoy, 75352 . Paris 07 SP, France.

    Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002277/227770por.pdf